Black Mirror: O que a Psicologia diz sobre a obsessão em Redes Sociais

Aviso: Spoilers do episódio 1 da 3 ª temporada de”Black Mirror” à frente.

Há uma razão para o primeiro episódio da nova temporada da estrondosa série da Netflix “Black Mirror” ser chamado de Nosedive (“queda livre”).

Ele prevê um mundo em que estamos completamente dependentes de mídia social. Cada um de nós persegue uma “classificação” desejável – uma pontuação máxima de 5 estrelas que é afetado por tudo, desde a conversa na hora do café até à falta de entusiasmo que você exibiu em reação ao presente de aniversário que seu colega de trabalho lhe deu.

Não é exagero do mundo em que vivemos agora. Esta é precisamente uma razão para “Black Mirror” ser tão atraente. Não é típica ficção científica, que prevê o mundo daqui a 100 ou 1.000 anos a partir de agora. Imagina o próximo ano. Próximo mês.

O princípio psicológico chamado de “esteira hedonista” é o verdadeiro combustível que, em teoria, nos conduz em direção a este futuro patético e debilitante. Em essência, estamos sempre à caça da próxima coisa que vai nos fazer sentir bem, é quase impossível para nós apenas ser – e apenas estar. Pesquisas sugerem que é uma das principais maneiras de se sentir verdadeiramente feliz.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *